A Retidão depois de Ramadan

Louvado seja Deus, Senhor do Universo, aquele que Deus guia ninguém pode desviar e aquele que Deus desviar, ninguém pode guiar. Testemunho que Deus é único e que Muhammad é seu mensageiro e servo.

Queridos irmãos, após o final do Ramadan há duas coisas que preciso lembrá-los:

1ª – Não devemos destruir aquilo que construímos de bom durante o mês do Ramadan; isso significa que devemos proteger ou conservar essa edificação para não perdê-la; em outras palavras, não devemos cometer os pecados que abandonamos no mês do Ramadan e não podemos deixar de praticar as adorações após este mês.

Deus, no Alcorão Sagrado, deu um exemplo daquela pessoa que faz o bem e volta a destruí-lo como uma mulher que passa o dia fazendo tricô e ao final dele puxa um fio para desmanchar aquilo que já teceu: “E não imiteis aquela (mulher) que desfiava sua roca depois de havê-la enrolado profusamente (...) Deus somente vos experimentará e sanará a vossa divergência no Dia da Ressurreição. (16:92)

2ª – Irmãos, a retidão é o caminho certo que devemos segui durante e depois do Ramadan. A retidão significa fazer tudo que Deus mandou e deixar tudo que Ele proibiu; todos nós sabemos que o caminho retidão, hoje em dia, está muito difícil de ser seguido, pois a maioria das pessoas segue pelo caminho errado; não é fácil ser verdadeiro enquanto muitas pessoas seguem pelo caminho da mentira; não é fácil ser justo vivendo em um mundo de injustiças; não é fácil ser fiel enquanto o mundo está perdendo o sentido da confiança.

Queridos irmãos, o caminho da retidão é o mais curto para se chegar a Deus; o ser humano está entre dois pontos: o inicial (o nascimento) e o final (a morte). Se perguntarmos a um sábio de matemática “qual a distância mais curta que liga dois pontos?”, com certeza responderão “que é uma reta”. Se o ser humano quer chegar ao Paraíso, esse caminho mais curto é o da retidão.

Por isso, nós suplicamos a Deus diariamente, quase 17 vezes, em nossas rezas, para que Ele nos ajude a continuar seguindo esse caminho, pois recitamos na Surata Al Fatiha “(...) Guia-nos no caminho reto (...)”, isso significa que pedimos a Deus que nos ajude até o fim de nossas vidas.

Para saber a importância desse caminho, basta saber que o Profeta Muhammad, um dia, seus companheiros lhe disseram que ele já estava com os cabelos grisalhos; o profeta respondeu que a Surata Hud o deixou assim. Quando os sábios pesquisaram essa Surata eles se depararam com o seguinte versículo: “Então, sê reto, como te foi ordenado, e, contigo, quem se volta arrependido, e nada transgridais (...)”. (11:112)

Como o caminho da retidão termina ao fim de nossa vida, o fruto dele é muito grande e é recebido no momento em que o muçulmano se despede da vida mundana para ingressar na outra vida; todos nós, um dia, chegaremos no momento em que precisaremos deste fruto, mas só o receberá aqueles que seguiram sua vida na retidão.

Na hora da morte, o ser humano passa por dois tipos de sentimentos: o medo do futuro, por não saber como será sua vida após a morte, e a tristeza, por deixar sua família, seus amigos e seus bens; mas para a pessoa que segue o caminho da retidão, Deus falou no Alcorão Sagrado que ela não sentirá essa sensação de medo e tristeza: “Por certo, os que dizem: ‘Nosso Senhor é Allah’, em seguida, são retos, os anjos descerão sobre eles, freqüentemente, dizendo: ‘Não temais e não vos entristeçais; e exultai com o Paraíso, que vos era prometido’”. (41:30)

Sufian Ibn Abdullah relatou que em certa ocasião perguntou: “Ó Mensageiro de Deus, fala-me algo definitivo acerca do Islam, para que eu não tenha que perguntar a ninguém mais. Ele disse: ‘Dize: creio em Deus; e, então, siga no caminho da retidão’”.

A retidão significa a continuidade da adoração, mas esta não é somente aquela que fazemos enquanto estamos na mesquita; ela começa quando saímos da mesquita e, depois de alimentarmos nosso espírito, colocamos em prática aquilo que aprendemos sobre Deus, a todo o momento, durante toda nossa vida.

Pedimos a Deus para que nos ajude a seguir esse caminho da retidão durante toda nossa vida, até o Dia do Juízo Final.

Sheikh Mohamad Al Bukaí 02/10/2009