O Divorcio

Louvado seja Deus, Senhor do Universo, que a paz e as bênçãos de Deus estejam sobre seu Nobre Profeta, sua família, seus companheiros e sobre todos os muçulmanos até o dia do Juízo Final.

Queridos irmãos, vou falar de uma palavra entre as palavras que deixou os olhos de muitos maridos e esposas chorando, que destruiu muitos lares e famílias e fez perder muitos filhos e filhas; uma palavra muito pequena mas que é muito perigosa, essa palavra é “divórcio”. Que momento triste é aquele que separa o marido de sua esposa.

Meus irmãos, o Islam colocou o divórcio como lei, mas ele explica suas condições de forma muito clara no Alcorão Sagrado. O divórcio é uma forma de se resolver os problemas quando o casamento chega a um caminho sem direção; Deus facilitou para o casal uma saída e o divórcio tornou-se uma misericórdia para ambos: “E, se ambos se separam, Deus enriquecerá a cada um deles de sua munificência (...). (4:130)

Entretanto, não é permitido, sob nenhuma hipótese, que o divórcio seja realizado por motivo fútil e volúvel. Deus nos disse que não podemos tratar desses assuntos como uma brincadeira: “(...) E não tomeis os versículos de Deus por objeto de zombaria (...). (2:231)

Queridos irmãos, o divórcio cresceu muito hoje em dia, pela diminuição da fé no coração das pessoas, pela falta de amor e pela expansão do egoísmo entre os seres humanos.

Outro motivo é a falta de maridos tementes a Deus que não assumem a responsabilidade de suas famílias e não dão às suas esposas os direitos que Deus ordenou e não percebem que o casamento tem obrigações que precisam ser cumpridas. Maridos que não perdoam os erros de suas esposas e não respeitam o tempo e as lembranças do tempo de convivência em harmonia com estas.

Há um terceiro motivo: falta de esposas devotas, arrependidas e adoradoras; esposas que respeitam os direitos de seu marido, de sua família e que conhecem a responsabilidade do casamento.

Também há os casos em que os pais e a família interferem na vida conjugal de seus filhos de forma negativa; em vez de ajudarem, acabam tornando a vida do casal em um inferno.

A sociedade também tem sua responsabilidade nesse aumento dos divórcios. Há entre nós uma infinidade de pessoas que podem provocam o divórcio com atitudes mesquinhas como a intriga, a inveja, a fofoca etc., que disseminam a discórdia entre as famílias.

Tudo isso, queridos irmãos, no levou a essa tragédia que a nossa sociedade sofre. Para todos os maridos e esposas, para todos os pais, digo que temam a Deus.

Não se precipitem na hora de tomar uma decisão sobre o divórcio. No caminho da vida há muitos problemas, mas o marido tem de ser paciente com os erros de sua esposa e esta também tem de ser paciente com os erros de seu marido; o divórcio é a última decisão a ser tomada.

O casamento tem de ser estabelecido sobre o amor, o respeito mútuo, o diálogo e com a consciência de que cada um do casal precisa ser dedicado para satisfazer o outro.

Vou colher uma flor no jardim da nossa história que conta sobre a história de um casal que vivem um casamento feliz e harmonioso. Um sábio chamado Alchabi perguntou a outro sábio chamado Churaih: “– Como está sua esposa? Como está sua vida com sua esposa?”. Este último respondeu: “– Já completei vinte anos com ela sem nunca ter nenhum problema”. O primeiro questionou: “Mas como? Vinte anos sem problemas?”. Então, ele respondeu: “No dia em que nos casamos, quando eu me aproximei dela, ela me disse que eu tivesse calma; eu fiquei surpreendido e então ela se levantou como se fosse dar um discurso e na realidade foi o que ela fez; louvou a Deus e me disse: ‘sou uma mulher estrangeira e não conheço suas tradições e seu caráter; entre as mulheres, havia outras melhores que do eu e entre os homens; alguns melhores que você, mas a vontade de Deus quis que ficássemos juntos. Dessa forma, diga-me quais as coisas que você gosta para eu fazer e as coisas que você não gosta para eu não fazer. Diga-me com que freqüência você permite que eu visite minha família (...)’. Ela me obrigou a fazer um outro discurso e também me levantei, louvei a Deus e respondi a tudo e lhe perguntei sobre as coisas que ela gostava e não gostava e graças a Deus, vivemos juntos há 20 anos sem problemas”.

Queridos irmãos, temos que pensar muito nas conseqüências do divórcio como a influência que essa atitude exerce no marido, na mulher, nos filhos e na sociedade.

Suplicamos a Deus que proteja nossas famílias, nossas esposas e que todos nós tenhamos uma vida de felicidade com nossas famílias.

Sheikh Mohamad Al Bukaí