Shahada!

O significado do primeiro testemunho de Fé (Shahada)

A Shahada tem duas partes, a primeira: La ilaha illa Allah, literalmente significa: não há Deus exceto Allah. Portanto, na perspectiva islâmica, ninguém merece ser adorado salvo Allah. Esta declaração é necessária porque há muitos supostos deuses neste mundo aos quais muitos prestam adoração. Os hindus, os budistas e os cristãos tem diferentes deuses, na realidade, muitas pessoas possuem deuses. Elas acreditam haver divindades além de Allah.

Devemos sempre ter em mente o significado de La ilaha illa Allah em seu sentido completo, dentro da perspectiva islâmica, onde nenhum ser merece adoração a não ser Allah, o Único, o verdadeiro Deus!

Condições para o primeiro testemunho de fé

Para que o primeiro testemunho de fé seja válido é necessário cumprir certas condições. Apresentamos aqui as principais condições que foram compiladas pelos sábios. Todas elas estão inter-relacionadas já que se dirigem a um único tema.

Conhecimento

Para que o primeiro testemunho de fé em Allah se considere válido é necessário que esteja baseado no conhecimento. Allah disse no Qur’an:

‘Saiba [Oh Muhammad!] que não há nada nem ninguém com direito a ser adorado salvo Allah.’ (47:19)

Também disse o Profeta: ‘Quem morrer sabendo que não há outro Deus além de Allah, entrará no Paraíso’ (Sahih Muslim, não. 39)

Não basta repetir como coro La ilaha illa Allah para alcançar os benefícios desta frase. Mas, aquele que declarar o testemunho de fé, mesmo sem entender por completo as implicações destas palavras, é considerado muçulmano(possui dever e direitos como tal).

A pessoa que profere o testemunho de fé deve ter, pelo menos, um conhecimento básico de que à Allah pertence todo poder e que Ele lhe permita evitar qualquer classe de erros.  Um conceito equivocado de Allah pode levar ao sério erro de adorar a outros sem saber.

Politeísmo no judaísmo

Segundo a crença islâmica, é considerado que os judeus são politeístas mesmo que sempre insistam em dizer que crêem estritamente em um só Deus. Encontramos na Tora as seguintes palavras do Profeta Moisés: «Oh! Israel: o Senhor nosso Deus, é um.» (Deuteronômio 6:4)

Entretanto, as escrituras judaicas estão cheias de afirmações que rebaixam as qualidades de Deus. Por exemplo, há frases que mencionam um deus arrependido do que havia feito aos judeus: «Então o Senhor se arrependeu do mal que fez a seu povo ». (Êxodo 32:14).

Também descreve o Profeta Jacob quando ele combateu com Deus e recebeu o nome de Israel, que segundo os sábios, significa «O que luta com Deus». (Genesis 32:24-32 A Bíblia: Versão Internacional, na sessão: «Jacob combate com Deus»).

Há referencias a Deus como alguém que dorme e desperta. (Salmos 13:1 e 4:23)

Nas escrituras de Talmud, há o conhecido comentário sobre os livros do Antigo Testamento, onde se relata que Deus pediu permissão para falar em um debate entre rabinos, para informar-lhes que a maioria estava equivocada e que a minoria opinou corretamente. Os rabinos Lhe responderam que não era Seu momento para falar. (Citado por Hyam Maccoby em O fabricante de mitos: Paulo e a invenção do Cristianismo, New York: HarperCollins, 1987, p.21)

Em todos estes casos vemos um deus que é tratado como um servo dos israelitas, em lugar deles serem Seus servos. Os judeus se baseiam nesta relação para declarar que tem garantido o Paraíso porque são um povo escolhido, elegido por Deus, independente do que façam. Vemos que, mesmo que falem de um só Deus, seu conceito de Deus único esta equivocado de tal maneira que contradiz sua declaração de monoteísmo.

Politeísmo entre Muçulmanos

Atualmente, em muitos lugares do mundo islâmico, as tumbas dos crentes virtuosos que viveram no passado se transformaram em « lugares santos » onde correm milhares de peregrinos cada ano. Nesses « santuários », alguns muçulmanos pedem aos mortos por suas necessidades ou rogam que intercedam por eles ante Allah. Eles professam sua crença em um Deus único, Allah, mas ignoram que somente Ele é Quem responde as orações e que rogar a outro é Shirk (politeísmo). Allah nos advertiu desta situação quando disse:

«E sua maioria não crê em Allah, sem atribuir-Lhe parceiros.” (12:106)

Para viver o verdadeiro monoteísmo, o conhecimento de Deus e Seus atributos divinos é essencial e também para que o testemunho de fé seja significativo na vida de um muçulmano e este possa beneficiar-se disto, tanto nesta vida como na outra.

Fonte (Livro): Estudos Islâmicos, livro 4

Autor : Dr. Abu Ameenah Bilal Philips

Editora: Internacional Islamic Publishing House (IIPH)

Tradução: Halima Umm Hisham

Adaptação: Daniela